Inovação, Transformação Digital: buzzword ou corrida do ouro?

Falar de inovação ficou difícil desde que o termo se “banalizou”. Ás vezes, vivenciamos isso: agregar valor; pensar fora da caixa, User Experience, e até, falando mais especificamente de produto ou de tecnologia. Muitas vezes, o mercado torna a parte o todo ou simplesmente repete a expressão a esmo. O jargão ganha a boca ou as ruas, mas banaliza-se a expressão, mas não o conceito. Falar de inovação, as vezes parece isso.

Há inúmeras definições para inovação. Há também a visão de algumas classificações para inovação – produto, processo, modelo, marketing. Mas, gosto de beber do pensamento de Peter Drucker, tremendo defensor da inovação ao longo de suas décadas de carreira, para quem inovação era “transformar uma ideia diferente em algo lucrativo”. Seja modelo de negócio, seja produto, seja processo, seja uma necessidade que ninguém sabe que tem, esse é o foco: posicionar-se, manter-se competitivo, perpetuar-se.
Equivocadamente, gerou-se a sensação de que inovação é um espasmo de genialidade, restrito a uns “gatos-pingados”, que muda a história da humanidade da noite para o dia. Mas, inovação deve ser processual (até para que esses estalos aconteçam) e está muito associado a:

  • Manter o foco do cliente: é do cliente e não no cliente. A diferença é ter o foco do cliente é ser empático; se colocar na pele e tentar ver os problemas, as necessidades, as soluções, os produtos com os olhos do cliente.
  • Buscar melhoria continua: isso é o mais difícil, talvez. Não pode ser um desejo do top management. Tem que ser um valor de empresa, da recepcionista ao CEO.
  • Engajar pessoas: gerar o instinto de responsabilidade pelo próximo passo. Isso também está muito associado ao jeito de liderar: não procurar culpados por problemas; procurar soluções para necessidades.
  • Colaborar: criar pode até ser um processo isolado e individual. Inovar é um processo coletivo. É preciso buscar diversos pontos de vista e cooperar para buscar

CTA-ebook-transformação-digital

Quando se trata de tecnologia, software em especial, há uma mudança de mindset. Só para pontuar: de início sair da visão de projeto para uma visão de produto, que será objeto de muitos dos nossos artigos, daqui para frente. Por hoje, é preciso essa visão de que inovação, olhando para o ciclo de vida de produto e a competitividade do negócio, é uma necessidade que auxiliará de um lado a reduzir o ciclo de maturação do produto e do outro alongar o caminho até a fase de declínio. Voltando a Drucker, diria, que inovação é transformar necessidades em ideias lucrativas pelo máximo de tempo possível. Uma corrida do ouro.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>